António Jacinto morreu há 18 anos
23-06-2009 | Fonte: Angop
António Jacinto do Amaral Martins, um dos maiores vultos da literatura Angolana, completa hoje 18 anos desde a sua morte. Nasceu em Luanda a 28 de Setembro de 1924 e faleceu em Lisboa (Portugal), vítima de doença, a 23 de Junho de 1991.

Jacinto notabilizou-se com a sua poesia de protesto, e devido à sua militância política no Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), foi exilado no Campo de Concentração de Tarrafal, em Cabo-Verde, no período de 1960 á 1972.

Voltou para Angola em 1973, e se juntou novamente ao MPLA, onde continuou com a sua militância até a independência do país frente a colonização portuguesa em 1975. António Jacinto foi nomeado Ministro da Educação e Cultura, cargo que de desempenhou até o ano de 1978.

António Jacinto deixou bibliografia onde se destacam; Poemas – 1961, Outra vez Vovô Bartolomeu – 1979, Survivre dans Tarrafal de Santiago (em português, "Sobrevivendo em Tarrafal de Santiago").

São ainda celebres os seus poemas: "O grande desafio, Poema da alienação, Carta dum contratado, Monangamba, Canto interior de uma noite fantástica, Era uma vez, Bailarina negra, Ah! Se pudésseis aqui ver poesia que não há! e Vadiagem".
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação