PUBLICIDADE
Probidade Pública consagra deveres e responsabilidades aos agentes públicos
09-03-2010 | Fonte: Angop
A Lei de Probidade Pública, aprovada por unanimidade pela Assembleia Nacional, na sua nona sessão ordinária, realizada a 5 deste mês, define um conjunto de normas que consagram deveres, responsabilidades e obrigações aos servidores públicos na sua prestação.

O artigo 15 do capítulo II, do referido diploma, considera agente público a pessoa que exerce mandato, cargo, emprego ou função em entidade pública, em virtude de eleição, nomeação, contratação ou de qualquer outra forma de investidura, ainda que de modo transitório ou sem remuneração.

No âmbito deste conceito, a lei define como agentes públicos os membros do executivo e da administração central do Estado, os membros dos governos provinciais e respectivas administrações, bem como os membros das administrações municipais e comunais.

Figuram neste quadro, os deputados à Assembleia Nacional, os magistrados Judiciais e do Ministério Público, os gestores, responsáveis e funcionários de todos os tribunais e da Procuradoria-Geral da República, bem como os gestores de património público afecto às Forças Armadas Angolanas e à Polícia Nacional.

Essa categoria abrange igualmente todos os titulares, responsáveis e funcionários das autarquias locais, das associações e dos gestores de empresas privadas investidas de funções públicas, mediante concessão, licença, contrato ou outros, assim como as entidades que recebam subvenção de órgãos públicos.

Sobre os deveres dos agentes públicos, a legislação estipula que a consciência e a postura de servir com eficiência e rigor devem constituir uma referência obrigatória na actividade daqueles, quer perante os cidadãos, quer diante das entidades públicas ou privadas.

Por outro lado, determina que o agente público, no exercício das suas funções, não deve beneficiar, directamente ou por interposta pessoa, de ofertas por parte de entidades singulares ou colectivas, de direito angolano ou de estrangeiros.

"São incluídos na proibição estabelecida no artigo 18 todos os móveis e imóveis que, pela sua natureza e valor, possam de algum modo afectar ou vir a afectar a integridade e a postura de exemplar isenção do agente público no desempenho das suas funções", reporta o diploma.

No capítulo referente as garantias, probidade e sanções, a lei menciona que o exercício de funções públicas está sujeito à declaração dos direitos, rendimentos, títulos, acções e outra espécie de bens e valores localizados no país ou no estrangeiro.

Neste sentido, determina que a confissão de bens deve ser actualizada a cada dois anos, sendo que as falsas declarações por dolo ou negligência, as omissões e a falta de revelação de benefícios equivalem a falsidades perante autoridade pública susceptíveis de responsabilização política, disciplinar e criminal.

"É punido com pena de demissão ou destituição, sem prejuízo de outras sanções previstas por lei, o agente público que se recuse a prestar declarações de bens no prazo determinado por lei", acautela a lei num dos seus 45 artigos.
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação
Foto-Destaque
Foto-Destaque
Questionário
Quais os motivos que levaram Angola a obter resultados negativos na corrida ao CAN 2015
  • Os adversários são mais fortes
  • Falta jogadores de qualidade
  • Problemas administrativos
  • Equipa Técnica