Código da Família obriga homens a respeitar pensão de sobrevivência
26-08-2010 | Fonte: JA
A revisão do Código da Família vai, entre outras normas, obrigar os homens a assumir a paternidade e garantirem uma pensão de sobrevivência aos filhos, anunciou em Luanda a coordenadora da secção da OMA junto aos Serviços de Apoio ao Presidente da República.

Em declarações ao Jornal de Angola, à margem da palestra sobre "O papel da família e da sociedade civil na construção de uma nova mentalidade", Florbela Rocha Araújo lamentou o facto de muitos homens continuarem a não assumir as suas responsabilidades paternais e informou que o futuro Código da Família, em fase de elaboração, vai procurar inverter esse quadro.

"O actual Código da Família foi aprovado em 1978 e até à data muita coisa mudou na sociedade angolana. Os estudos efectuados vão permitir a entrada em vigor de um novo Código da Família adequado à realidade actual", informou.

Fuga à paternidade

Sobre a fuga à paternidade, Florbela Araújo disse que uma criança sem nome normalmente é revoltada, porque logo à partida a intenção da mãe é contar a história do que se passou e as razões que a levam a criar os filhos sozinha: “é um risco criar os filhos sozinha e quando assim acontece normalmente as crianças crescem revoltadas e, nestes casos, a sociedade é que paga”. Considerou que a família, como núcleo fundamental da sociedade, deve trabalhar para a instrução dos filhos. “É importante que os pais dêem atenção aos filhos e acompanhem a sua educação. Achamos ainda pertinente que nas escolas haja aulas de moral para que as crianças e os jovens se habituem a respeitar os valores da sociedade”, apelou.

Florbela Araújo considerou que só há respeito pelos valores morais se as famílias estiverem educadas, instruídas e estruturadas: "a violência é fruto da ignorância que atinge muitos sectores da sociedade", acrescentou.

Para a socióloga Fátima Viegas, a família é a primeira esfera de socialização e é ela que transmite os valores morais. É importante que os pais assumam o seu verdadeiro papel e sejam o principal catalizador da instrução dos filhos. Sublinhou que a formação da sociedade não depende do Estado, mas de todos os cidadãos: "se cada um de nós trabalhar para a melhoria de um cidadão teremos, no futuro, um país cada vez melhor". A secretária da OMA em Luanda, Eulália Rocha, considerou que todo o esforço feito para a mudança de mentalidades é pouco para a dimensão da responsabilidade que se pretende criar. Eulália Rocha considerou ainda que a transmissão de valores morais é importante para a criação de uma sociedade forte: "Não devemos trabalhar apenas para a construção da mentalidade, mas também para a mudança das mentalidades, para termos uma sociedade de respeito pelo bem público e social", concluiu.
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação
Foto-Destaque
Foto-Destaque
Questionário
O que mais o marcou no campeonato do Mundo Brazil 2014
  • Arbitragem
  • Desempenho das Equipas Africanas
  • Casos extra-jogos
  • Estádios
  • Manifestações