TAAG cumpre 100% das recomendações internacionais
23-05-2013 | Fonte: Lusa/SOL
A companhia aérea nacional de Angola (TAAG) já cumpre 100% das recomendações da Associação Internacional de Transportadoras Aéreas, disse o director de qualidade da empresa angolana, salientando a modernização que feita na empresa.A adopção de 100% das recomendações representa a implementação das melhoras práticas sobre a gestão operacional e a segurança, o que permite à companhia renovar o seu certificado, disse o responsável da empresa liderada por Pimentel Araújo.

"As áreas inspeccionadas são as da organização e controlo de qualidade e segurança do sistema de operações, operações de voos, despacho operacional, manutenção e engenharia, tripulação, 'cockpit', operações em terra, operações de carga e segurança contra actos ilegais", acrescentou Joaquim Fortes.

Desde 2008, a empresa tem vindo a passar por uma refundação, que passa por um vasto processo de modernização e adaptação dos seus procedimentos às melhores práticas internacionais, salientou a mesma fonte.

As transportadoras aéreas de Moçambique e de São Tomé e Príncipe continuam proibidas de operar na União Europeia (UE) e a angolana TAAG mantém as restrições impostas, segundo a última lista da segurança aérea, divulgada em Bruxelas em Dezembro do ano passado.

Segundo a lista europeia, estão proibidas de operar na UE um total de 287 companhias aéreas, certificadas em 20 países: Afeganistão, Angola, Benim, Cazaquistão (com excepção de uma transportadora que opera com restrições e sob determinadas condições), Eritreia, Filipinas, Gabão (com excepção de três transportadoras que operam com restrições e sob determinadas condições), Guiné Equatorial, Indonésia (com excepção de seis transportadoras), Djibuti, Libéria, Moçambique, Quirguistão, São Tomé e Príncipe, Serra Leoa, República Democrática do Congo, República do Congo, Suazilândia, Sudão e Zâmbia.

A lista da segurança aérea proíbe ainda os voos da Blue Wing Airlines do Suriname, da Meridian Airways do Gana e da Conviasa da Venezuela.

Outras dez transportadoras aéreas são objeto de restrições operacionais, estando apenas autorizadas a realizar voos com destino à UE sob condições estritas: a Air Astana do Cazaquistão, a Afrijet, a Gabon Airlines e a SN2AG do Gabão, a Air Koryo da República Popular Democrática da Coreia e a Airlift International do Gana, bem como a Air Service Comores, a Iran Air, a TAAG-Linhas Aéreas de Angola e a Air Madagáscar.

"A Comissão não poupará esforços para ajudar os países incluídos na lista de segurança a criar a capacidade técnica e administrativa necessária para superarem os seus problemas de segurança da forma mais rápida e eficaz possível", disse o comissário europeu para os Transportes, Siim Kallas.


 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação