Angola é o país lusófono com maior taxa de mortalidade infantil
17-09-2014 | Fonte: Lusa
Angola é o país lusófono com a maior taxa estimada de mortalidade de menores de cinco anos e aquele em que foi menor a taxa de redução anual entre 1990 e 2013, indica um relatório da UNICEF lançado ontem.
 
Segundo o relatório "Compromisso pela Sobrevivência Infantil -- Um Promessa Renovada", Angola registou em 2013 uma taxa estimada de mortalidade de menores de cinco anos de 167 (probabilidade de mortes por cada mil crianças nascidas vivas), enquanto para o Brasil, o melhor lusófono excluindo Portugal, a taxa estimada foi de 14.
 
Por ordem crescente, o segundo melhor país lusófono foi Cabo Verde, com 26 mortes prováveis em cada mil, seguido de São Tomé e Príncipe com 51, Timor Leste com 55, Moçambique com 87 mortes prováveis, Guiné Equatorial (membro da Comunidade de Países de Língua Portuguesa desde julho deste ano) com 96 e Guiné-Bissau com 124.
 
Em relação à taxa de redução anual entre 1990 e 2013, Angola apresenta a menor taxa entre os lusófonos, 1,3 por cento, e o Brasil a maior, 6,5 por cento.
 
De acordo com o referido "relatório de progresso" do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Timor-Leste foi o segundo país lusófono, excluindo Portugal, a conseguir naquele período uma maior taxa de redução anual das mortes infantis, 5,0 por cento, seguindo-se Moçambique (4,3%), Cabo Verde (3,8%), São Tomé e Príncipe (3,4%), Guiné Equatorial (2,8%) e Guiné-Bissau (2,6%).
 
Os dados divulgados  indicam ainda que o Brasil e Timor-Leste foram os dois lusófonos, excluindo Portugal, que já cumpriram o Objetivo de Desenvolvimento do Milénio da ONU para a taxa de mortalidade de menores de cinco anos (pretendia-se uma redução em dois terços da taxa de 2000 a 2015).
 
No caso do Brasil, o objetivo para 2015 era que a taxa fosse de 21 e o país registou em 2013 uma taxa estimada de 14, enquanto Timor-Leste teve uma taxa estimada de 55 em 2013, sendo o seu objetivo para 2015 de 57.
 
Dos restantes lusófonos, Cabo Verde é o que está mais próximo de atingir o objetivo (taxa estimada de 26 em 2013 para uma taxa de 21 em 2015) e Angola o mais distante (167 em 2013 para 75 em 2015).
 
Em Portugal, a taxa estimada de mortalidade de menores de cinco anos foi de 15 em 1990 e de 04 em 2013 (abaixo dos 05 previstos no Objetivo do Milénio), indica o relatório da UNICEF. A taxa de taxa de redução anual entre 1990 e 2013 foi de 5,9 por cento.
 
No relatório "Compromisso pela Sobrevivência Infantil -- Um Promessa Renovada", agência da ONU indica que "as taxas de sobrevivência infantil melhoraram substancialmente desde 1990 até agora, período em que o número absoluto de mortes de crianças menores de cinco anos diminuiu para metade - de 12.7 milhões para 6.3 milhões".
 
Ainda assim sublinha que "muitas destas mortes poderiam ser facilmente evitadas com intervenções simples, eficazes e de baixo custo antes, durante e imediatamente após o nascimento".
 
 
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação