Angolanos no estrangeiro aderem ao Registo Eleitoral no Talatona
27-12-2016 | Fonte: Angop
Os angolanos residentes na diáspora mostraram-se dispostos a participar no processo democrático angolano aderindo em massa ao posto do Registo Eleitoral especial aberto hoje, terça-feira, no Talatona, em Luanda.
 
A semelhança do Talatona, o Ministério da Administração do Território (MAT) instalou, na província de Luanda, quatro postos de Registo Eleitoral sendo um no município do Cazenga, bem como nos distritos urbanos da Maianga e da Ingombota (circunscrição de Luanda).
 
Em declarações à Angop, no posto de Talatona, alguns dos 30 estudantes  presentes nas primeiras horas do inicio da campanha e que pela primeira vez participam do processo, disseram estar dispostos a exercer este acto de  cidadania.
 
Para a estudante de Gestão na República da África do Sul, Zahira  Capindissa, de 20 anos de idade,  o facto de  ser a primeira vez que exerce  tal direito, cria uma certa expectativa, tanto que a participação no processo  foi um dos motivo do seu regresso Angola.
 
Zeferino Pintinho  e William  Augusto,  estudantes do curso de Direito em Portugal, consideram que sendo o voto um direito consagrado na Constituição angolana, onde cada cidadão tem o direito de escolher os seus próprios dirigentes, o registo é o passo fundamental para que a vontade de cada um seja exercida.
 
O estudante disse ainda que  para  além dos direitos consagrados, o processo dará uma ampla visão ao Estado acerca do número de cidadãos  maiores de 18 anos,  aptos a participar no pleito eleitoral, assim como um suporte administrativo para  a melhoria das condições sociais da população.
 
O Zeferino Pintinho almeja  que sejam criadas condições para  que nos  próximos  processos, os angolanos no estrangeiros não se sintam obrigados a viajar  para exercer um direito  consagrado na lei, mas que o mesmo possa ser  feito a nível das representações do Estado  no estrangeiros.
O  interesse e  demonstração de inclusão de todos os angolanos  no desenvolvimento político do  país é observado com este gesto, segundo Ludmila Luvanabano,  estudante de  Direito na Inglaterra.
 
“Sentimo-nos úteis contribuindo deste modo para o desenvolvimento político do país, devemos dar as nossas sugestões e as nossas escolhas devem ser respeitadas. Apesar de estarmos fora da nossa terra somos filhos de Angola e qualquer situação ligada a ela devemos estar incluídos, ” frisou.
Para o registo, os angolanos residentes no estrangeiro devem ter o Bilhete de Identidade, passaporte com visto ou cartão de residente e o bilhete de passagem.
 
O Ministério da Administração do Território (MAT) promove, de 27 de Dezembro a cinco de Janeiro de 2017, a actualização dos dados eleitorais, prova de vida e cadastramento dos jovens angolanos que completam 18 anos de idade em 2017 e residem ou trabalham no estrangeiro, visando as eleições gerais do próximo ano.
 
Esta medida, determinada pelo MAT e anuída pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE), será executada em todas as capitais provinciais e destina-se, especificamente, aos cidadãos angolanos residentes no exterior por motivos de trabalho ou de estudo e que se encontram no país, âmbito da quadra festiva.
Entretanto, o processo de actualização dos dados eleitorais, prova de vida e cadastramento de novos eleitores, interrompido no dia 20 deste mês, devido às festas de natal e de ano novo, reata no próximo dia 5 de Janeiro e deverá decorrer até 31 de Março de 2017.
 
 
 
 
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação