Governo não foi notificado sobre suspensão de ajuda por Israel
29-12-2016 | Fonte: Lusa
O governo ainda não foi notificado por Israel sobre a suspensão do programa de ajuda ao país, em represália pela posição assumida pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas.
 
Israel reduziu as suas relações com os países que votaram a favor da resolução das Nações Unidas contra a colonização dos territórios palestinianos ocupados, entre os quais Angola.
 
Em declarações ontem à agência Lusa, o director para África, Médio Oriente e Organizações Regionais, Joaquim do Espírito Santo, lamentou a posição do governo de Israel, mas manifestou disponibilidade do executivo angolano para continuar a dialogar sobre o assunto.
 
Na terça-feira, Joaquim do Espírito Santo recebeu o embaixador de Israel em Luanda, Oren Rosenblat, que manifestou o desagrado do seu país pela posição assumida pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre o problema israelo-palestiniano.
 
Segundo Joaquim do Espírito Santo, a posição de Israel é compreensível, exemplificando que Angola teve a mesma reacção aquando do golpe de estado na Guiné-Bissau.
“Também suspendemos a nossa cooperação, é normal, mas nós só poderemos lamentar, não poderemos obrigar ou pedir favores”, frisou, exprimindo esperança que “isso não venha a acontecer”.
 
“Vamos continuar a dialogar, para que consigamos de facto ultrapassar esta situação”, acrescentou.
Israel reduziu as suas relações com os países que votaram a favor da resolução das Nações Unidas contra a colonização dos territórios palestinianos ocupados.
 
Refutando informações de que as relações com estes países foram suspensas, o porta-voz do ministério israelita dos Negócios Estrangeiros, Emmanuel Nahshon, declarou que Israel “reduziu temporariamente” visitas e trabalhados com as embaixadas.
 
Como represália, Israel já chamou os seus embaixadores na Nova Zelândia e no Senegal e anulou o seu programa de ajuda nos países da África ocidental.
 
O executivo israelita também informou Angola do congelamento do seu programa de ajuda, segundo Nahshon.
 
Relativamente a esta medida, o diplomata frisou que Angola ainda não foi notificada.“Para nós tem que ser objecto de uma notificação, não temos nenhuma notificação até aqui, relativamente a esta questão da suspensão. Falaram no geral, mas são medidas que eles vão estudar caso a caso”, disse.
 
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação