Estrada Benguela-Luanda será alargada até Agosto
11-02-2017 | Fonte: O País
As obras de reabilitação da Estrada Nacional (EN) 100, que liga Benguela a Luanda já arrancaram, tendo término previsto para Agosto do corrente ano. A dimensão da estrada passará de nove para 11 metros de largura, com duas faixas de rodagem em cada sentido. À saída do Lobito (província de Benguela) para Luanda, é visível o movimento de homens e máquinas desmatando os espaços adjacentes à Estrada Nacional 100, com o propósito de preparar o terreno que possibilitará o aumento de mais três metros de largura aos nove que actualmente constituem as faixas de rodagem.
 
Para constatar in loco o andamento da referida obra, o ministro da Construção, Artur Fortunato e uma vasta equipa do seu pelouro percorreram, na Quarta-feira, esse trecho depois de se inteirarem, com os empreiteiros, se estão ou não reunidas as condições para a sua conclusão em Agosto próximo. No projecto, consta que assim que estiver concluída, a via passara a ter duas faixas de rodagem em cada sentido, o que permitirá uma maior mobilidade rodoviária.
 
O vice-governador para a área de infra-estruturas de Benguela, Victor Mota, considerou o alargamento da mesma como sendo muito importante, pelo facto de a sua área de jurisdição ser um ponto estratégico ao nível do país. Descreveu o trecho Lobito-Sumbe (Cuanza Sul) como sendo um dos mais difíceis, por ser muito estreito, e que o alargamento possibilirepresentará mais segurança e mobilidade para os motoristas.
 
“Essa é uma estrada em que ocorrem muitos acidentes e o seu alargamento não só vai evitar tais situações, como possibilitar mais circulação de mercadoria. Sabe-se que Benguela é uma das maiores províncias, em termos de produtividade”, enfatizou.
 
A delegação ministerial percorreu, no total, 1600 quilómetros de estradas, das províncias do Cuanza Norte, Cuanza Sul e Benguela. Na hora do balanço, o ministro Artur Fortunato, disse à imprensa ter recebido garantias de alguns empreiteiros de que as Estradas Nacionais 321 e 100 estarão concluídas antes do tempo previsto nos contratos, portanto entre Julho e Agosto.
 
Apesar de ter constatado que algumas obras decorrem lentamente, o governante acredita na garantia que recebeu dos empreiteiros. Por outro lado, Artur Fortunato apela à população no sentido de entender os vários constrangimentos que as obras causarão durante a sua execução.
 
Já na cidade do Sumbe, o director- geral do Instituto de Estradas de Angoa (INEA), António Resende, assegurou que as referidas obras estão orçadas em mais de duzentos milhões de dólares e que o financiamento é garantido por uma linha de crédito do Governo Chinês, cujo acordo foi rubricado em Agosto de 2016. Disse que além dessas obras, existem mais projectos a ser financiados pela referida linha de crédito da China.
 
“Vamos fazer um esforço para que as empresas cumpram com o estipulado. Ao nível técnico, fazse um trabalho de alargamento das vias, sendo um dos objectivos da intervenção nessa via, porque estava com um perfil muito estreito e também era um dos grandes motivos do índice de sinistralidade rodoviária”, sublinhou.
 
Explicou que os empreiteiros farão também algumas correcções técnicas para melhorar algumas curvas e algumas zonas de declive para as vias ficarem confortáveis. “Haverá problemas de drenagem nas zonas urbanas, principalmente na região do Cuanza Norte, na Estrada 321; na zona do Dondo e no Sumbe porque as construções foram feitas ao longo da estrada”, advertiu o director do INEA.
 
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação