BODIVA reduz prejuízo em 2016 é conta lançar obrigações e acções em 2017
17-05-2017 | Fonte: Jornal Mercado
O resultado económico da Bolsa de Dívidas e Valores de Angola (BODIVA) em 2016 demonstra uma melhoria significativa da sua capacidade de gerar receitas e uma contenção da estrutura de custos, tendo como consequência uma redução significativa do prejuízo, face a 2015, afirma o PCA da instituição, António Furtado.

Em contrapartida, diz, na mensagem que deixa no Relatório e Contas da BODIVA, “o accionista-Estado continuou a manifestar o seu apoio ao projecto, mediante a subscrição de um aumento de capital de 600 milhões Kz”.

A 31 de Dezembro de 2016, o prejuízo da BODIVA ascendeu a 293,9 milhões Kz, tendo-se verificado uma evolução positiva, relativamente ao período homólogo – redução do prejuízo em 165,7 milhões Kz.

A melhoria é explicada essencialmente pelo crescimento dos proveitos operacionais, que só a partir de Junho começaram a ser registados. No período findo em 31 de Dezembro de 2016, os proveitos de prestação de serviços financeiros totalizaram 252,9 milhões Kz, decorrentes de comissões de negociação, comissões de liquidação, filiação de membros, senhas de acesso, transferência de valores mobiliários e cotação de fecho de valores mobiliários.

Na rubrica proveitos e custos operacionais, que totalizou 542,8 milhões Kz, verificou-se um acréscimo de 8,3 milhões Kz (mais 1,56%) face ao período homólogo.

Refira-se que as comissões de liquidação passaram a ser facturadas apenas a partir do mês de Novembro de 2016, após a entrada em funcionamento da Central de Valores Mobiliários de Angola.

Relativamente às comissões de negociação, tendo em conta que as negociações no mercado de registo começaram em Maio de 2015, o montante de proveitos em Dezembro reflecte apenas oito meses de actividade do mercado, pelo que não é possível comparar com o saldo registado até à data (que considera 12 meses de proveitos).

Os custos operacionais totalizaram 556,1 milhões Kz, crescendo 1,57% face ao homólogo (547,5 milhões Kz).

Segundo o PCE da BODIVA, Patrício Vilar, 2015 foi “o ano de arranque do sistema de negociação”, e 2016 foi o da “conclusão da infra-estrutura de mercado, com a entrada em funcionamento da Central de Valores, vulgo CEVAMA, com as funcionalidades de custódia, compensação e liquidação de valores mobiliários”.

“A nomeação desta comissão executiva, em Outubro, coincidiu precisamente com o arranque do processo de migração dos títulos do Tesouro (TT), do sistema do Banco Nacional de Angola para o da BODIVA, que culminou com a inauguração da CEVAMA e do Mercado de Bolsa, no segmento de títulos do Tesouro (MBTT) em 15 de Novembro”, lembra.

“Com a individualização das contas de custódia por comitente final e a automatização dos processos de compensação e de liquidação, física e financeira, dos TT, as negociações aumentaram significativamente nos dois últimos meses do ano, de tal forma, que a sua média quase duplicou a média mensal até então verificada”, destaca.

Receitas com crescimento acentuado

As receitas da BODIVA tiveram crescimento acentuado nos dois últimos meses, pois, para além do aumento da negociação, passaram a prestar-se serviços adicionais, pelo que às comissões de negociação vieram juntar-se as de liquidação.

“Se se pode considerar praticamente completo o círculo da infra-estrutura tecnológica, o do mercado propriamente dito ainda agora começou, operando-se apenas em mercado secundário de TT e com uma profundidade reduzida”, adianta.
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação
Foto-Destaque
Foto-Destaque
Questionário