Governador de Luanda reconhece carência de infraestruturas e serviços à população
06-11-2017 | Fonte: Lusa
O rápido crescimento demográfico e o surgimento de novos aglomerados populacionais sem as correspondentes infraestruturas técnicas e de serviços explicam, segundo o governador da província de Luanda, a atual "carência" de serviços básicos à população.

Adriano Mendes de Carvalho, que falava hoje na abertura do encontro de auscultação e concertação com a sociedade civil, sobre a segurança pública em Luanda, apontou que o crescimento demográfico da província, com cerca de sete milhões de pessoas, "criou um enorme desafio" à governação.

"Relativamente à segurança pública, educação, cultura, assistência social, médica e medicamentosa, a par do fornecimento de água e energia elétrica a toda população", admitiu o novo governador, empossado no cargo há cerca de um mês.

Neste encontro, Adriano Mendes de Carvalho sublinhou que a "população não só exige como merece" por estes "direitos".

"Ela exige porque é aquilo que lhe toca e nós temos que corresponder o pedido da população", disse.

O encontro de hoje, promovido pelo Ministério do Interior de Angola e o Governo Provincial de Luanda na sequência de uma "onda de preocupações da população", nomeadamente "sobre o aumento dos níveis de criminalidade", o governador exortou à conjugação de esforços para a resolução dos problemas da capital.

"Com realce para segurança pública, adotando uma estratégia de policiamento de proximidade, no âmbito da prevenção da criminalidade, visando a definição de políticas de prevenção e repreensão da criminalidade, envolvendo o cidadão na resolução dos seus próprios problemas de segurança e outros", observou.

O último caso de insegurança na capital angolana verificou-se na sexta-feira, com a polícia a envolver-se na via pública numa troca de tiros com três elementos considerados altamente perigosos, confronto que terminou com a morte de um destes e a fuga dos restantes.

"Comunidade Participativa, Segurança Garantida" foi o lema do encontro que juntou no Cine Atlântico, centro de Luanda, diversos atores da sociedade civil, membros das comissões de moradores, administradores municipais e distritais, efetivos dos órgãos centrais e locais da polícia.

Fazendo alusão a frase do primeiro Presidente da República de Angola, António Agostinho Neto, de que "o mais importante é resolver o problema do povo", o governador de Luanda solicitou ajuda dos munícipes no sentido de apoiarem na resolução dos problemas identificados.

"O mais importante é sim resolver os problemas do povo, mas para resolver esses problemas é necessário que a população me ajude e esta auscultação é um grande contributo para podermos dar soluções a uma série de questões que temos por resolver", adiantou.

Ainda Adriano Mendes de Carvalho, o encontro de auscultação com a sociedade civil é relevante, por permitir o contínuo "diálogo aberto" com as forças locais.

"E digo isso para que os administradores municipais tenham isso em conta sempre nas vossas atividades, a que saber ouvir sempre a opinião do povo tornando-os participes na governação para que em conjunto possamos resolver os problemas da comunidade", conclui.
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação