Abertura da imprensa pública é mera fachada?
07-11-2017 | Fonte: Correio Angolense

O líder do grupo parlamentar da UNITA, Adalberto da Costa Júnior, diz-se censurado pelo Jornal de Angola. Numa entrevista que concedeu recentemente ao diário estatal, as passagens com referências críticas ao Presidente João Lourenço terão, segundo ele, sido objecto de cortes e omissões. O episódio levanta fortes suspeições em torno da propalada abertura dos órgãos de comunicação social públicos.

 

 

Adalberto da Costa Júnior nota que na referida entrevista, além de ter abordado a situação sócio-política do país, falou profusamente do novo ciclo de governação com a eleição de João Lourenço para Presidente da República. Todavia, o político alega que não viu isso reflectido na peça.

 

 

“Dei uma entrevista ao Jornal de Angola que foi tratada razoavelmente bem, onde tudo que disse na generalidade saiu, mas a parte em que eu abordei a questão João Lourenço, Presidente da República, para o meu espanto, parece que censuraram”, declarou Costa Júnior quando animava na passada sexta-feira, 03, em Benguela, um encontro de militantes do seu partido.

 

 

“Sobre o actual Presidente [da República] não saiu nada, foi tudo censurado. Tudo. Nem uma linha. E me fizeram perguntas objectivas”, exclamou o parlamentar da UNITA, enumerando de seguida o género de questões que lhe foram colocadas e cujas respostas considera diz terem sido objecto de omissões e cortes.

 

 

“Qual é a sua opinião sobre o Estado da Nação do Presidente?, falei bastante. Qual é a sua opinião sobre a liderança mais ou menos bicéfala do partido ter chefe diferente do presidente?, também falei muito, mas não saiu nada”, queixou-se o político, para quem esse episódio apenas vem adensar a sua descrença numa mudança tempo recorde da imprensa pública.

 

 

Adalberto da Costa Júnior disse igualmente não se lembrar de alguma vez, enquanto foi porta-voz da UNITA, ter visto a sua imagem na primeira página do Jornal de Angola por boas notícias, senão por razões negativas e com fotografias pequenas como ilustração.

 

 

Diante da situação, Costa Júnior conclui que se os órgãos públicos mantiverem comportamentos do género, que considera de censura disfarçada, não irão a lado nenhum. “Ainda há muito que se trabalhar para saírem do quadro em que se encontram”, sublinhou.

“Companheiros e amigos se aquilo continuar a imperar na imprensa pública, então estaremos iguais aos anos anteriores. Porque se ontem podíamos criticar tudo menos o Presidente da República, hoje a coisa continua na mesma”, sublinhou.

 

 

Apesar da censura que alega ter sido vítima, o político da UNITA elogiou o periódico por ter estampado numa das suas capas uma matéria relativa aos líderes de grupos parlamentares dos partidos da oposição, dando conta da posição dessas formações na actual legislatura.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação