Especialistas defendem cortes nos salários e redução de mordomias dos governantes
07-11-2017 | Fonte: VOA

O ministro das Finanças de Angola pediu alguns sacrifícios da população no momento em que o Governo pretende consolidar o orçamento do Estado. Economistas, no entanto, devolvem a iniciativa ao Executivo porque, dizem,que a população já não tem o que se sacrificar mais, mas os governantes sim.

 

Ao intervir recentemente na tomada de posse de alguns membros nomeados para instituições financeiras do Estado, o ministro Archer Mangueira considerou que a consolidação orçamental angolana requer alguns sacrifícios dos angolanos.

 

O economista Estevão Gomes diz não concordar com eventuais despedimentos porque podem agravar ainda mais a situação económica dos angolanos e defende cortes em despesas do próprio estado.

 

 

“No meu entender, o Executivo devia reduzir as despesas de organismos do Estado como por exemplo o salário pago em organismos como AGT, Alfândegas o próprio Ministério das Finanças, onde há salários altos que podiam sofrer um corte de 30 por cento, reduzir as despesas do Estado em viagens, as viaturas entregues a deputados, ministros, etc., reduzir a quantidade de empregadas nas casas destes governantes de 5, 6 empregadas para uma”, defende Gomes.

 

 

A economista e deputada Albertina Navemba Ngolo considera ser quase impossível exigir-se mais sacrifícios ao cidadão.

 

 

"Mais do que os sacrifícios que a população tem feito, o próprio Executivo devia se organizar para acabar a corrupção, a fuga de capitais para fora do país, obrigar os próprios governantes que são os empresários a trazer o dinheiro que levaram lá para fora em paraísos fiscais, para desenvolver Angola”, disse Ngolo.

 

 

O especialista em políticas públicas e económicas David Kissadila afirma que o Governo tenta com isso preparar as pessoas para as dificuldades e os apertos que se avizinham.

 

 

"Os sacrifícios a que o ministro se refere é uma preparação psicológica da população apesar das promessas eleitorais que não foram poucas, a crise financeira que o país atravessa não permitiria grandes mudanças no seu nível de vida", sustenta.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação