Escritora Ngonguita Diogo leva «um brinde à dipanda»no CCBA
09-11-2017 | Fonte: Angop
A escritora Ngonguita Diogo leva o recital de poesia "um brinde à dipanda" no Centro Cultural Brasil-Angola (CCBA) na esta quinta-feira, 9, no seu auditório, em Luanda.

Durante o recital a escritora e também poetisa levará ao palco poemas de Agostinho Neto, Mário Arsénio, António Gonçalves, Luís Rosa Lopes, Nguimba Ngola e da sua autoria, dividindo o espaço com os declamadores Ângelo Reis “Poeta dos Pés Descalços”, Universo Mavambo e Ismael Farinha ao som dos trovadores Júlio Gil e Círios.

Na ocasião, vai ser, igualmente, exibida uma peça de teatro pelo grupo NAI, inspirada numa obra do primeiro presidente de Angola, Agostinho Neto e uma coreografia com o grupo Tata Yeto Dança.

Para Ngonguita Diogo o evento servirá para celebrar os 42 anos da independência do nosso país.

“Um brinde à dipanda vai levar-nos a festejar antecipadamente os 42 anos da independência de Angola. Estaremos igualmente a dar voz e a homenagear a memória de todos os poetas que tombaram por uma Angola independente. Não poderíamos deixar a poesia de fora e vermos as outras manifestações culturais a saudar a data, uma vez que o fundador da Nação foi um grande escritor e poeta, falo de Agostinho Neto”, frisou a escritora.

A organização do recital espera recolher doações espontâneas de produtos não perecíveis, de higiene e de limpeza para uma instituição de caridade em Luanda.

A iniciativa está enquadrada numa parceria de intercâmbio cultural entre o CCBA e a escritora Ngonguita Diogo, enquanto é membro da Academia de Letras do Brasil, ocupando a cadeira nº 01 em Luanda.

Ngonguita Diogo, pseudónimo literário de Etelvina da Conceição Alfredo Diogo, nasceu no dia 4 de Maio, em Cazengo (Ndalatando), província do Cuanza Norte.

A sua estreia literária aconteceu em 2010, com a obra “No Mbinda o ouro é sangue”.

Desde aquela data, a sua paixão pela literatura foi ganhando espaço e, de forma indelével, conquistando os leitores que, concomitantemente, a obrigaram a colocar, regularmente, mais obras no mercado como: “Weza a princesa” (2010), reeditado em Portugal, “Sinay” (2011), reeditado no Brasil, “A minha baratinha” (2011), “Acudam Maria do Rangel” (2013) e “Da alma ao corpo” (2014).

O seu percurso literário conta ainda com um CD de poemas intitulado “E assim virei Maria”, além de vários poemas no suplemento “Vida e Cultura” do Jornal de Angola, assim como nos semanários O Independente e Agora.

Ngonguita Diogo é membro do Movimento Lev’arte em Angola e directora da Academia de Letras do Brasil para às questões humanitárias no continente africano.
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação