Esquadrões da morte em Luanda: diversas leituras
12-12-2017 | Fonte: VOA
Um grupo de extermínio ou esquadrão da morte da Polícia Nacional em Luanda tem sido acusado de matar vários jovens em Luanda. A associação cívica Mãos Livres vai mais longe e diz que as execuções extrajudicial acontecem em todo país, mas as autoridades policiais negam.
 
Os responsáveis do Serviço de Investigação Criminal(SIC) e da Polícia Nacional(PN) continuam a negar a autoria das mortes atribuídas ao denominado grupo esquadrão da morte, montado em Luanda, mas as mortes continuam a acontecer e ninguém é responsabilizado pelo assassinato de dezenas de jovens supostamente implicados em crimes comuns.
 
O presidente associação cívica Mãos Livres Salvador Freire diz que numa linha bastante organizada, um oficial superior do SIC coordena o extermínio de pessoas com idade entre 17 e 40 anos de idade envolvidas em crimes comuns.
 
Para Freire, muitos dos assassinos são protegidos pelas chefias do SIC. “O Toledo é um assassino bastante conhecido, mas a polícia e a SIC não tomam nenhuma atitude, mesmo sabendo que este indivíduo leva a cabo muitas acções de execução extrajudicial”, denunciou Freire.
 
A VOA contactou o Director Provincial SIC, Amaro Neto, que, sem gravar entrevista, refutou as acusações de forma liminar.
 
O director provincial de Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério do Interior, intendente Mateus Rodrigues, também “desmente todas as informações”, e diz que o Ministério e todos seus órgãos velam pela defesa dos direitos humanos.
 
“Não há qualquer coisa ligada às matanças, pelo contrário, todos os órgãos do Ministério do Interior velam pelos direitos humanos e defesa das pessoas”, garantiu Rodrigues. Há duas semanas, o jornalista e activista Rafael Marques denunciou o assassinato de cerca de 90 pessoas nos arredores de Luanda por esquadrões da morte.
 
Para assinalar o Dia Internacional dos Direitos Humanos, que se comemorou ontem, foi lançada em Luanda mais uma organização não governamental, denominada Observatório para Coesão Social e Justiça, que tem como objectivo promover a defesa dos direitos fundamentais, humanos, promoção da integração, coabitação, solidariedade social, luta contra as desigualdades, fomento da cultura jurídica e cidadã.
 
A organização é dirigida pelo Zola Bambi, membro da associação cívica Mãos Livres.
 
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação