Comité Central do MPLA rejeita proposta do líder
17-03-2018 | Fonte: JA
O Comité Central do MPLA rejeitou ontem a ideia do líder, José Eduardo dos Santos, para a realização do congresso extraordinário em Dezembro ou Abril de 2019, tendo decidido reunir-se  novamente no princípio de  Maio para reflectir sobre o assunto e definir uma data.
 
O secretário para informação do MPLA , Norberto Garcia, informou que, antes disso, acontece, em Abril, uma reunião do Bureau Político. Contudo, nos bastidores comenta-se que a maioria dos membros do Comité Central  prefere o mês de Junho, como a data ideal para a realização daquilo que chamam de  “transição política a nível da presidência do MPLA”, ou seja, para que se concretize a anunciada retirada da vida política activa do seu actual líder, José Eduardo dos Santos. 
 
Esta decisão de retirada abre caminho para o carácter extraordinário de um congresso do MPLA, que em situação normal só deveria acontecer em 2021. A discussão, neste momento, prende-se na interpretação estatutária quanto à capacidade electiva do congresso extraordinário: se apenas para substituição do líder ou se mais alargada a outros membros da actual direcção e àqueles que terão direito a participar no encontro.
 
Ao discursar na abertura da 5ª sessão ordinária do Comité Central, José Eduardo dos Santos propôs a realização do congresso extraordinário que vai resolver a questão da liderança do MPLA para Dezembro próximo ou Abril de 2019.
 
Esta  sessão do Comité Central do MPLA não foi como o “passeio” habitual que tem caracterizado as reuniões de cúpula da direcção do partido no poder, geralmente rápidas e com comunicados em que a semântica esconde os verdadeiros problemas discutidos. Fontes do JA garantem que as últimas reuniões têm sido tensas, bastante demoradas e com abordagens profundas sobre os reais problemas que afectam o partido e o país, procurando-se uma aproximação entre o discurso partidário e de Estado, que dirige.
 
 No conclave desta sexta-feira, tal como na reunião do BP de segunda, o clima foi de divergências que significam a pluralidade de ideias existente no partido. Por isso não espanta que o encontro de  ontem tenha consumido nove horas de discussões. Comentou-se, inclusive na apresentação de uma proposta de moção de censura ao líder, que, flexibilizando, acedeu ao pedido da realização de um congresso extraordinário, mesmo que em datas diferentes das que tinha inicialmente proposto. “Um clima pesado”, desabafou um membro da cúpula do MPLA.
 
 José Eduardo dos Santos defendeu a necessidade de se desenvolver  acções nos domínios da organização,  mobilização, controlo e disciplina, o que implica, na sua opinião,  a correcção dos métodos de trabalho, com base no princípio da direcção colectiva e responsabilidade individual, que pode transformar-se num catalisador para a revitalização da acção partidária.
 
Os membros do  Comité Central  avaliaram  o estado actual do Partido, quer do ponto de vista da execução do calendário das suas actividades, quer do seu grau de organização e funcionamento e os  Relatórios de Balanço de diferentes órgãos e organismos do Partido.
 
O presidente do MPLA afirmou que o partido alcançou os principais objectivos a que se propôs no ano de 2017, com particular realce para os resultados obtidos nas Eleições Gerais do ano passado, ganhas pelo MPLA e seu cabeça-de-lista. Mas  reconheceu que o balanço positivo das acções só faz  sentido se elas servirem de base para melhorar os  trabalhos  futuros nas diferentes esferas da actividade do Partido. “É necessário   avaliar quais foram os nossos pontos fracos, onde claudicamos e fomos menos incisivos e quais as causas que motivaram uma prestação que não correspondeu ao programado”, disse. 
 
 
Para José Eduardo dos Santos,  a melhoria da acção do MPLA  passa pelo respeito do princípio da prestação regular de contas de todos os órgãos que o integram, como forma de “controlar a execução das tarefas e de podermos aferir o êxito ou o fracasso das orientações, estratégias e planos”, disse, salientando que só deste modo se pode aspirar a atingir a perfeição visando, entre outros objectivos,  apoiar o Executivo e manter uma sincronia entre a direcção do MPLA e Executivo,bem como manter a capacidade proactiva do partido na sua bancada parlamentar e nas diferentes esferas da vida política nacional. 
 
  Para a realização com êxito destas acções, José Eduardo dos Santos entende que o partido deve estar cada vez mais forte e com maior capacidade de intervenção junto das comunidades, ganhando assim relevância o papel das suas estruturas de base que têm por tarefa mobilizar e organizar, não só os militantes, mas também os cidadãos nas suas áreas de circunscrição territorial.
 
 
Eleições autárquicas 
 
José Eduardo dos Santos defende que o MPLA deve começar já a centrar as suas preocupações no processo das primeiras eleições autárquicas que se vão realizar no país, e preparar as estruturas para a mobilização de militantes, simpatizantes e amigos para a disputa de mais este pleito eleitoral. 
 
O presidente do MPLA garantiu o seu envolvimento pessoal no grupo de trabalho que vai coordenar a  implementação da estratégia do Partido para preparar as condições durante o ano de 2018 para a participação, com êxito, nas eleições autárquicas na data que for aprovada.
 
O  Comité Central aprovou ontem a resolução sobre o preenchimento de vagas  no mesmo órgão resultante da suspensão do mandato, a seu pedido, de Carlos Alberto Ferreira Pinto e Florbela de Jesus Rocha e por falecimento de João António Rosa Tiro, com ascensão de Guido  Valdemar   Cristóvão , Rui Alberto Vieira Dias Mingas e Bernardo Mussonde a membros efectivos. 
Para hoje, está prevista a segunda reunião metodológica nacional sobre a organização do trabalho do partido, a ser presidida por João Lourenço.
 
Congresso é decidido em Maio
 
O Comité Central do MPLA foi ontem informado sobre a preparação de uma reflexão do Bureau Político sobre a oportunidade de realização de um Congresso Extraordinário do Partido e sobre a transição política a nível da presidência do MPLA.
 
De acordo com o comunicado final da reunião do Comité Central, realizada ontem, o órgão de cúpula decidiu realizar a reunião de reflexão do Bureau Político no mês de Abril de 2018 para que o Comité Central faça a reunião extraordinária sobre a matéria em Maio deste ano.
 
De acordo com o documento, a referida reflexão tem como fim único o fortalecimento do MPLA e o reforço da sua coesão interna, privilegiando sempre os interesses do Partido e da Nação.
 
O encontro aprovou o Relatório sobre a participação do MPLA nas Eleições Gerais realizadas a 23 de Agosto de 2017, que o MPLA venceu com maioria qualificada. 
 
O Comité Central considera que o resultado favorável alcançado nas Eleições Gerais de Agosto de 2017 deveu-se à forte acção político-partidária, empolgante, galvanizadora e determinante, desenvolvida pelo MPLA. 
 
A reunião aprovou o Relatório do Bureau Político ao Comité Central referente ao ano 2017, o Balanço do Grau de Cumprimento do Plano de Tarefas, bem como o Relatório e Contas da Execução do Orçamento Anual do Partido. Aprovou igualmente o Relatório de Actividades da Comissão de Disciplina e Auditoria, referente ao Ano de 2017.
 
O Comité Central apreciou a Informação relativa às Linhas de Força sobre a participação do MPLA no processo de implementação das Autarquias Locais e tomou nota do conjunto de tarefas políticas, administrativas, técnicas e de produção legislativa que serão objecto de calendário que compreenderá o momento de intervenção de cada um dos órgãos de soberania.
 
Os participantes foram informados sobre o Programa de Apoio à Produção Nacional, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações e encorajaram o Executivo a prosseguir com os esforços para a sua materialização. O Comité Central reiterou o apoio ao Executivo  e encorajou-o a continuar as acções para a melhoria das condições de vida dos angolanos.
 
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação