Satélite angolano está em órbita mas “estado de saúde” só é conhecido a 23 de Abril
18-04-2018 | Fonte: Lusa
O Ministério das Telecomunicações e das Tecnologias de Informação angolano garante que o Angosat-1 segue em órbita, apesar de não comunicar com a estação terrestre, remetendo para 23 de Abril mais informação sobre a situação do primeiro satélite nacional.

Uma informação daquele ministério, a que a Lusa teve hoje acesso, refere que a informação sobre o "estado de saúde" do Angosat-1 será prestada na segunda-feira, em Luanda, além do ministro das Telecomunicações e das Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, por representantes da Airbus e dos russos da Roscosmos e da SC Energia, envolvidos na construção e lançamento do satélite.

"O que eu posso dizer é que o satélite está em órbita e nós vamos avaliar o estado de saúde do satélite no dia 23 com a contraparte russa", adiantou, na terça-feira, em declarações aos jornalistas, em Luanda, o ministro José Carvalho da Rocha.

Na mesma ocasião, o governante recordou que estão cumpridas 13 das 14 etapas, da construção ao início do funcionamento do Angosat-1, da operacionalização do satélite.

Ainda assim, garantiu que o Estado angolano está protegido pelos seguros previstos para todas as etapas deste contrato e respectivas garantias do consórcio russo.

"Só o satélite custa 120 milhões de dólares, há um seguro para este valor. O veículo que leva o satélite, o lançador, custa 100 milhões, há um contrato nesse valor. Só o transporte do satélite de Moscovo até à base tem um seguro", adiantou o ministro angolano.

O Governo angolano anunciou a 21 de Março que equipas técnicas de Angola e da Rússia reúnem-se este mês em Luanda, para definirem os procedimentos de utilização do Angosat-1, lançado em órbita em Dezembro de 2017.

Um dia após o lançamento em órbita do satélite angolano, a 26 de Dezembro de 2017, surgiram notícias sobre problemas com a infraestrutura, nomeadamente a perda de comunicação e o seu desaparecimento, informação desmentida pelas autoridades angolanas e russas.

Esta semana, a imprensa russa voltou a noticiar que persiste a ausência de comunicação com o Angosat-1, estando as autoridades dos dois países a negociar a construção de um novo satélite.

Construído por um consórcio estatal russo, o Angosat-1 foi lançado em órbita, no Cazaquistão, com recurso ao foguetão ucraniano Zenit-3SLB, envolvendo a Roscosmos, empresa espacial estatal da Rússia.

Globalmente, o projecto representa um investimento de 320 milhões de dólares do Estado angolano (269,6 milhões de euros) e pretende reforçar as comunicações no país, fornecendo serviços ainda para parte do continente africano.
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação
Foto-Destaque
Foto-Destaque
Questionário