Sonils diz que dispensa de 250 trabalhadores cumpriu a lei
19-04-2018 | Fonte: Novo Jornal
A empresa Sonils, subsidiária da concessionária estatal angolana Sonangol para o sector logístico, garantiu que a saída de 250 trabalhadores cumpriu todos os trâmites legais e resultou da quebra na actividade do sector petrolífero.

O posicionamento da empresa surge numa nota de esclarecimento enviada à Lusa, na qual a administração da Sonils esclarece que o referido reajuste, ocorrido no último trimestre de 2017, se deve ao "declínio dos níveis de actividade no sector petrolífero".

"Face ao contexto socioeconómico que se verifica na indústria petrolífera, a Sonils viu-se forçada a efectuar o reajuste do quadro de pessoal nacional e expatriado ao nível de actividade atual", lê-se na nota.

Acrescenta que o referido "reajuste" resultou na desvinculação de colaboradores afectos ao quadro efectivo da Sonils, mas "também na dispensa de colaboradores pertencentes às empresas de cedência de trabalho temporário", nomeadamente a Angola Offshore e a Sirvimar, perfazendo desta forma "um total de 250 trabalhadores".

De acordo ainda com a Sonils, o processo de reajuste do seu quadro de pessoal "cumpriu todos os procedimentos legais, tendo inclusive o processo de comunicação às empresas de trabalho temporário sido efectuado sempre com a devida antecedência".

A comissão sindical da Base Logística de Serviços Integrados (Sonils) da Sonangol anunciou ontem ter avançado com uma acção em tribunal para tentar a readmissão dos 250 trabalhadores despedidos em Novembro, alegando que não houve aviso prévio.

Em declarações à agência Lusa, o primeiro secretário da comissão sindical dos trabalhadores da Sonils, Francisco Castelo, explicou que os despedimentos ocorreram em Novembro, quando os trabalhadores se encontravam em greve, pelo que considera ser uma medida de retaliação daquela empresa da estatal angolana Sonangol.

"Achamos que foi um acto premeditado por parte da entidade empregadora pelo facto de exercermos o direito à greve. Assim sendo, a empresa, sem aviso prévio, despediu em Novembro cerca de 250 trabalhadores e neste grupo de trabalhadores incluiu também todos os membros da comissão sindical", acusou.

De acordo com o sindicalista, a posição da direcção da Sonils "surpreendeu todos os trabalhadores" porque na altura decorria já a ronda negocial dos pontos do caderno reivindicativo, "entre actualização do salário e discriminação laboral", para se pôr fim à greve em curso.

Para Francisco Castelo, os argumentos apresentados pela empresa, como dificuldades financeiras devido à crise no sector petrolífero "não colhem", tendo em conta que a mesma é anterior a 2017.

A Base de Logística de Serviços Integrados da Sonangol actua no carregamento e descarga de navios, aluguer de equipamentos e de infraestruturas de apoio, entre os quais escritórios, armazéns e áreas de armazenagem a céu aberto.
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação
Foto-Destaque
Foto-Destaque
Questionário