Professores exigem demissão da ministra da Educação
09-10-2018 | Fonte: VOA

Professores do ensino geral na província angolana da Huíla exigem a demissão da actual ministra da Educação, Cândida Teixeira e a reposição dos dinheiros desviados no sector da educação.


Os sinais de incumprimento do Governo sobre o memorando de entendimento alcançado com o Sindicato Nacional de Professores (Sinprof) em relação à implementação da transição de categorias são na opinião dos professores por culpa da ministra da Educação que se tem mostrado incapaz de resolver o diferendo.


Durante o fim-de-semana, os docentes realizaram uma macha na cidade Lubango na qual saudarem a saída do ex-governador João Marcelino Tchipingui, num mandato que consideram ter sido marcado pelo cerceamento dos direitos de reivindicação dos professores que agora exigem investigação da Procuradoria-Geral da República.


«Por que os professores estavam fartos desse peso que suportaram ao longo desses anos de má governação que até certo ponto os professores foram bombardeados foram presos sem culpa e que nós também exigimos que nos próximos tempos a PGR possa investigar o mandante desses abusos aos professores. Uma manifestação é um direito e o direito não se pode punir. Quem pune uma manifestação e uma greve tem que ser responsabilizado criminalmente», defendeu o secretário provincial do Sinprof, João Francisco.


O alegado desvio de cerca de dois mil milhões de kwanzas no sector da educação levaram a PGR na Huíla a decretar prisão preventiva ao director provincial da educação Américo Chicoty.


Os protestos dos professores na província tiveram lugar numa altura em que paira no ar a ameaça de greve na educação decisão final que pode ser conhecida no próximo fim-de-semana em Benguela.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação