Ex-governador angolano indiciado por peculato no desvio de mais de 200 milhões de kwanzas
15-10-2018 | Fonte: VOA

O ex-governador da província da Huíla, João Marcelino Tchipingui, está a ser indiciado pelo crime de peculato no desvio de mais de 200 milhões de kwanzas.


O dinheiro desviado (que equivale a cerca 648 mil dólares, ao câmbio actual) e que envolve também a detenção de dois empresários, tinha como objectivo ser aplicado num projecto de criação de 22 laboratórios escolares que nunca saiu do papel.


A Procuradoria-Geral da República (PGR), confirma a existência do processo em fase de instrução, mas o seu representante na Huíla, Hernâni Beira Grande, falando a rádio pública local, recusou-se a adiantar mais detalhes por razões de segredo de justiça.


No âmbito do mesmo processo, também designado de desvio de milhões, estão detidos o ex delegado das finanças do Huambo, Sousa Dala e o ex director do gabinete provincial da educação da Huíla, Américo Chicoty.


O ex-governador da Huíla, João Marcelino Tchipingui, acredita na sua inocência e fala de gente mal-intencionada em manchar o seu nome: "Quem está a falar disto tudo não é o povo são pessoas com algumas intenções. Estão a disparar para uma imagem virtual não é para mim".


Além do crime de peculato estão igualmente sob investigação os crimes de abuso de confiança, branqueamento de capitais, associação criminosa e corrupção passiva.


O Serviço de Investigação Criminal (SIC) na Huíla, promete trabalhar no tratamento, celeridade e esclarecimento de todos os processos em investigação com primazia para os crimes violentos com recurso a armas de fogo, peculato, branqueamento de capitais entre outros.

Esta recomendação saiu do último conselho consultivo alargado extraordinário daquele órgão na Huíla que avaliou a situação criminal no período entre Maio e Setembro.


"O Conselho adoptou mecanismos viáveis de reforço e coordenação com os órgãos que concorrem para a administração da justiça com vista a garantir maior eficiência e eficácia na actividade investigativa, preventiva e repressiva dos actos delituosos".


A investigação na Huíla já decorre desde o fim do mês de Agosto, quando os empresários envolvidos no projecto dos laboratórios foram detidos.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação