Estado da Nação: João Lourenço e o combate à impunidade
15-10-2018 | Fonte: RFI

O Chefe de Estado Angolano, João Lourenço, disse hoje durante o seu discurso no Parlamento Angolano que o tempo de graça acabou sobre empresários com dinheiro domiciliado no exterior.


Na abertura do novo Ano Parlamentar, João Lourenço proferiu, esta segunda-feira, o discurso sobre o Estado da Nação com um balanço positivo da luta levada a cabo pelas autoridades policiais no combate ao tráfico e exploração ilegal de diamantes. Os resultados das medidas tomadas ainda não são visíveis para todos, porque carecem de tempo, mas o Chefe de Estado prometeu continuar a lutar contra a impunidade.


Angola pode vir a ser, nos próximos anos, uma referência em termos de transparência, desenvolvimento e bem-estar dos cidadãos em África e não só, declarou o Chefe de Estado.


João Lourenço destacou a aposta na diversificação económica como "um imperativo nacional" e lembrou que, nas visitas que fez ao estrangeiro, representam garantias de investimento e de financiamento da economia angolana.


"Fizemos uma verdadeira diplomacia económica", resumiu o Presidente angolano, lembrando as visita a França, Alemanha e China e os apoios financeiros de Portugal e do Reino Unido, além da disponibilidade de linhas de crédito de várias instituições bancárias internacionais.


O programa de financiamento adicional solicitado ao Fundo Monetário Internacional (FMI), ainda em negociações, trará também credibilidade a Angola, facto que se torna ainda mais importante por não ter como garantia o petróleo, afirmou João Lourenço.


O Presidente angolano anunciou medidas para se pôr cobro à situação reinante de “verdadeiro caos” e desordem que se regista com o fenómeno religioso em Angola.


João Lourenço afirmou que não deve permitir que algo “sagrado e de grande responsabilidade”, como a religião e o bom nome de Deus, seja banalizado, profanado e se torne num negócio das almas, sem regras e nem princípios.


O titular do poder Executivo apelou à intervenção de toda sociedade para o combate contra o fenómeno religioso ilegal. As igrejas ilegais vão começar a encerrar a partir de 3 de Novembro, consequência da decisão do governo angolano de extinguir as plataformas ecuménicas no país para "normalizar o exercício da liberdade da religião, crença e culto".

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação