Empréstimos a Angola já não são "free money: "Até a China quer saber para onde vai o dinheiro"
20-11-2018 | Fonte: NJ

O director para África do Instituto Real de Relações Internacionais britânico (Chatham House), Alex Vines, alertou para a necessidade de Angola procurar fontes de financiamento que não tenham o petróleo como moeda de troca, e lembrou que os novos empréstimos já não são um "cheque em branco".


Se na era de José Eduardo dos Santos os empréstimos atribuídos a Angola dispensavam perguntas, ancorados na "sedução" do petróleo, agora até a China quer saber para onde vai o dinheiro, aponta o director para África do Instituto Real de Relações Internacionais britânico (Chatham House), Alex Vines.


O analista assinala que a desvalorização do petróleo fez com que deixasse de ser uma moeda de troca suficiente, obrigando o país a buscar novas fontes de financiamento.


"Não há muito espaço para os empréstimos financiados pelo petróleo. Para além dos dois mil milhões de dólares da China não há muito mais, e por isso o Governo precisou de ir aos mercados financeiros internacionais", diz Alex Vines, falando em Lisboa, na conferência "Angola: Que mudança?", organizada pela UCCLA - A União das Cidades Capitais Luso-Afro-Américo-Asiáticas e pelo Clube de Lisboa.


O académico britânico acrescenta que para além de estar obrigada a procurar novas fontes de financiamento, Angola está condionada às novas exigências.


Segundo o director para África da Chatham House, até os chineses "estão a fazer perguntas sobre onde e para que vai servir o dinheiro, e impuseram que parte desse financiamento seja para pagar dívidas a empresas chinesas".


"Já não é "free money" como no tempo do [ex-Presidente] José Eduardo dos Santos, o que é uma diferença importante", concluiu o especialista, para quem o ímpeto reformista de João Lourenço é uma consequência da conjuntura.


"A crise económica não deu alternativa a João Lourenço que não fosse reformar", defende o académico, acrescentando que "estabilizar a economia e ganhar o controlo total do MPLA eram as principais prioridades do primeiro ano de mandato do Presidente".


João Lourenço "sabia que uma mudança gradual e reformas lentas era uma coisa que não podia acontecer por causa das dificuldades económicas" que o país atravessa, entre as quais, salientou o investigador britânico, a diminuição da produção de petróleo, que "já está mais ou menos hipotecado" no âmbito dos empréstimos pagos em hidrocarbonetos.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação
Foto-Destaque
Foto-Destaque
Questionário