Novo director-geral da Unitel foi nomeado pelos brasileiros da Oi
23-03-2019 | Fonte: JA

As mudanças na equipa de gestão de uma das maiores empresas angolanas, a Unitel, são profundas. Isabel dos Santos deixará de ser presidente do conselho de administração e, depois da decisão do tribunal arbitral, em Paris, a Oi é a única accionista com dois administradores. O novo director-geral da operadora é o português Miguel Geraldes.


O conselho de administração é agora composto por Isabel dos Santos e Amílcar Safeca (representante da Geni, sociedade controlada pelo general Leopoldino do Nascimento) e entram João Quipipa (assessor do Ministério das Finanças e representante da MsTelcom/Sonangol), Luiz Rosa e Miguel Geraldes, ambos indicados pela Oi.


Cada uma das quatro partes possui 25 por cento do capital da Unitel. No entanto, segundo um acordo de accionistas que baliza a actuação da administração, a Oi tem o poder de nomear a maioria dos administradores e acusou a antiga administração de não cumprir o que estava previsto.


Entre outros motivos - como a falta de pagamento de dividendos desde 2010 - foram estas questões que deram origem ao processo judicial na Câmara de Comércio Internacional, em Paris, com decisão favorável (publicada no dia 28 de Fevereiro) para a Oi.


Segundo os brasileiros, o acordo não foi cumprido desde 2006, com Isabel dos Santos a garantir a maioria da equipa (com a presença de Anthony Dolton e de outro administrador), relegando a MsTelcom/Sonangol e a Geni para uma posição subalterna.


Até há pouco tempo, a Oi não conseguia nomear representantes para a administração e chegou a acusar a Unitel de não ter acesso às decisões e informações relativas às assembleias gerais de accionistas.


O novo director-geral da Unitel afirmou à agência Lusa que pretende promover uma “transição suave” na maior operadora de telecomunicações do país, com mais de 10 milhões de clientes (o único concorrente tem apenas 3 milhões de clientes activos) que desde terça-feira conta com um novo conselho de administração.


“Tenho conhecimento do profissionalismo da equipa da Unitel e certamente encontraremos a melhor forma de termos uma transição suave mantendo o foco no que é importante: servir os angolanos”, explicou.


Miguel Geraldes é um antigo quadro da Portugal Telecom (PT), empresa de telecomunicações que depois se fundiu com a Oi. Trabalhava na representação da Huawei, na África do Sul, depois de ter sido director-geral da MTC Namibia. O gestor foi indicado para a empresa namibiana ainda no tempo em que trabalhava para a PT.

A nomeação de Miguel Geraldes, que sucede a Anthony Dolton, foi divulgada, em comunicado, após a assembleia-geral da Unitel, que reconduziu a empresária Isabel dos Santos na administração da operadora.


No comunicado é indicado que o novo conselho de administração entrará em funções até 6 de Maio, com o presidente a ser eleito na primeira reunião, nos termos previstos na lei. Tanto a Oi - uma empresa sob administração judicial, que acumula prejuízos há vários exercícios - quanto a Sonangol já manifestaram a intenção de alienar as suas participações na Unitel.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação