Iki Mobile constrói fábrica em Angola
16-05-2019 | Fonte: DW

A fabricante portuguesa de telemóveis pretende inaugurar a sua primeira fábrica em Outubro deste ano na localidade do Benfica em Luanda. A fábrica vai ter capacidade para produzir cem mil telemóveis por mês.

Vão ser criados entre 70 a 80 postos de trabalho. O objetivo da marca é consolidar a sua posição no mercado angolano. O futuro da economia angolana passa pela diversificação e esta empresa portuguesa está a dar os primeiros passos nesta direção.


Angola procura diversificar a economia e apostar noutros setores que tragam empregos e novas oportunidades. A lei do investimento privado foi atualizada no ano passado e o Presidente João Lourenço também prometeu criar 500 mil postos de trabalho até 2021.

A fabricante portuguesa de telemóveis Iki Mobile é um exemplo do investimento no mercado angolano e procurar oportunidades em países vizinhos como a Zâmbia, o Botswana ou até a África do sul. Tito Cardoso é o director-executivo e explica por que motivo Angola é "uma ponte importante".


"Fazia todo o sentido apostar no mercado de Angola e construir lá uma fábrica que permita produzir internamente para o mercado, permita ter preços mais competitivos, ganhar aquele mercado uma vez por todas e fazer a exportação para cerca de 16 mercados que tenham com Angola parcerias estratégicas comerciais. Ao conseguirmos produzir em Angola não vamos aumentar os nossos custos, conseguimos que o nosso produto fique mais competitivo e também promover parcerias muito importantes com empresas, operadoras, distribuidoras dos mercados próximos e dos da SADC(Comunidade de Desenvolvimento da África Austral). Angola é uma ponte importante", sublinha.

Algumas empresas, que tentaram estabelecer-se em território angolano encontraram dificuldades no passado com o fornecimento de energia e as alfândegas. Apesar de tudo Tito Cardoso acredita que não haverá problemas. O fornecimento de energia da fábrica, por exemplo, terá geradores para garantir o seu normal funcionamento se houver cortes de eletricidade. O director-executivo da fabricante portuguesa de telemóveis também refere que até ao momento ainda não teve dificuldades na alfândega e que os negócios correram de maneira fluída.

É ainda possível que outros países de língua portuguesa em África e noutros continentes possam acolher fábricas da marca no futuro, explica Tito Cardoso.

"Temos mantido reuniões com mercados que acham que era muito interessante que fossemos para lá. Esses mercados têm parcerias estratégicas muito importantes com outros mercados. Posso dar o exemplo de Cabo Verde, que é um mercado muito pequenino, não é um mercado que traga muito consumo em telemóveis. Mas depois eles têm umas parcerias interessantes também com os mercados da Costa do Marfim e com a própria Nigéria”.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação