Bancos envolvidos nas privatizações têm que estar registados na Bodiva e CMC, alerta Patrício Vilar
19-09-2019 | Fonte: Jornal Mercado

Os bancos que estejam envolvidos nos processos de privatização como colocadores de acções em leilão em bolsa ou oferta pública inicial (OPI) têm que estar registados na Bodiva e na Comissão do Mercado de Capitais (CMC), disse hoje o PCE da bolsa angolana.


Patrício Vilar, que falava no Seminário Metodológico sobre o Programa de Privatizações, referiu que “o colocador [de acções] tem que ser um banco membro da Bodiva e registado na CMC”.


Caso esteja em causa um sindicato bancário, pode ser definido que seja integrado por bancos “com pujança e projecção internacional, mas quem responde perante a Bodiva é um banco registado na CMC e na Bodiva”.


Patrício Vilar adiantou ainda que, nos casos de venda de activos ou participações por leilão em bolsa, “pode ser determinado que o vencedor tem um dado prazo para dispersar parte do capital em bolsa”.


Na abertura do evento, promovido pela Comissão Interministerial para a implementação do programa de privatizações 2019-2022 (ProPriv), o ministro de Estado a da Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, lembrou que o principal objectivo do processo é alcançar um “crescimento económico forte e sustentável, com os privados a serem o principal motor da economia.


Vera Daves, coordenadora do grupo técnico para a implementação do programa – que é gerido pelo Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE), por seu turno, explicou que “os quatro anos (2019-2022) são um prazo indicativo, não podemos deixar de ser flexíveis o suficiente para garantir que o programa seja bem implementado”.


Em causa, recorde-se, está a alienação de entidades ou participações do Estado num total de 195 empresas dos mais diversos sectores.


O Seminário Metodológico, que arrancou hoje e termina amanhã, 20 de Setembro, em Luanda, é promovido pela Comissão Interministerial para a implementação do ProPriv e reúne membros do Governo ligados ao programa, empresas, investidores, sector financeiro, consultores, entre outros.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação