PN esclarece suposta tentativa de assassinato do presidente da Unita
08-03-2007 | Fonte: Angop
A representação do Comando da Polícia Nacional do Kwanza Norte esclareceu hoje os acontecimentos do passado dia 02 de Março, última sexta-feira, em Kamabatela, que envolveram o presidente da Unita, Isaias Samakuva, por alegada tentativa de assassinato deste.

Segundo explicação do comandante local da Polícia, sub-comissário José Teixeira do Carmo, no mesmo dia registaram-se sete disparos anárquicos de arma de fogo do tipo AKM, estando na sua origem elementos até ao momento desconhecidos.

O sub-comissário José Teixeira do Carmo acrescentou que perante a situação, ocorrida às 21h00 deste dia, altura que o presidente desta organização visitava a comuna de Kamabatela, município de Ambaca, as forças policiais reagiram prontamente, efectuando diligências junto do local onde se presume terem se posicionados os autores dos disparos.

Por conseguinte, referiu, o sub-inspector da Polícia António Francisco Carioca, que efectuava serviço operativo discreto, dirigiu-se ao local de onde supostamente partiram os disparos e, acto contínuo, ao comité local desta organização partidária, em virtude de ter constatado certa aglomeração de pessoas no mesmo.

Infelizmente, disse, o sub-inspector Francisco Carioca passou a ser agredido pelos secretários provincial deste partido no Kwanza Norte, Francisco Fernando Fakua, do município de Ambaca, Assaid Panzo Malundo, do administrador comunal do Luinga, e do responsável local deste partido, Bernabé Sicato, além de outros simpatizantes da organização, tendo sido lhe retirada a pistola e o motociclo em uso.

"Tendo desmaiado em seguida, a pronta intervenção das forças que se deslocaram ao local, apercebendo-se da agressão, permitiu resgatar a vítima das mãos dos agressores, livrando-o de uma morte certa", explicou.

José Teixeira informou que o oficial agredido foi evacuado, no dia seguinte, para Ndalatando, na mesma província, tendo sito submetido a exame médico no hospital local, cujo resultado determinou sangramento nos ouvidos, escoriações dos olhos e dores interna e externa na região toráxica.

Na sequência destes casos, prosseguiu, no dia 04 de Março deslocou-se ao município de Ambaca uma equipa da Direcção Provincial da Investigação Criminal, em reforço aos especialistas locais para investigação dos alvos dos disparos e da agressão contra o oficial.

Quanto ao processo aberto contra a agressão, foram já ouvidos o intendente Joaquim Vapor, efectivo da Unidade de Protecção da Individualidades Protocolares (UPIP), que chefiou a equipa de escolta do presidente da Unita, o sub-intendente Celestino Chipongue, segundo comandante provincial da UPIP, e o sub-inspector António Francisco Carioca.

Em virtude de ter expirado o prazo de flagrante delito, segundo a fonte, a Direcção de Investigação Criminal emitiu mandatos de captura contras os agressores, tendo sido entregues ao Ministério Público, que ordenou, no dia seguinte, a soltura dos mesmos mediante termo de identidade e residência.

"Nesta altura, o processo está a correr os trâmites legais e de forma célere, com vista a promoção do julgamento".

O comandante provincial informou que a Polícia não teve conhecimento de qualquer queixa apresentada por esta organização política que diz respeito a tentativa de assassinato do seu presidente.

Afirmou que a corporação tomou conhecimento do facto através dos órgãos de comunicação social, nas quais a Unita fez tais declarações.

Contudo, garantiu que Polícia continua a trabalhar para detectar o autor dos disparos anárquicos na Vila de Camabatela, e se pronunciará tão logo surjam novos dados.
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação