Covid-19: Português desmente agressões em Angola
24-03-2020 | Fonte: Angop

Um cidadão português, identificado por Altino Vilares, de 63 anos de idade, desmentiu, nesta segunda-feira, os rumores sobre suposta agressão física por populares do Cuquema (Bié), nessa província, por alegadamente possuir o novo Coronavírus (Covid-19).
 
Em declarações à Angop, Altino Vilares, negou categoricamente ter sido agredido física ou verbalmente, quando respondia a uma pergunta, a propósito, feita por um dos jornalistas, em conferência de imprensa com a ministra da Saúde, Silvia Lutucuta.
 
O português diz desconhecer totalmente tais especulações, uma vez que chegou de Portugal a 11 de Março com mais um compatriota, pelo que “não foram espancados, nem pelos efectivos do Serviços de Investigação Criminal, nem tão pouco pelos moradores”.
 
Altino Vilares explicou ter cumprindo todos os exames laboratoriais e que à data da sua chegada não se havia decretado quarentena obrigatório para os cidadãos provenientes de países afectados, uma vez que, em Portugal não existiam casos conforme ocorre actualmente.
 
Ainda assim, o “caluniado”, em visita de trabalho em Portugal a pedido da empresa de Construção Civil “MSTR”, assegurou que passados já 15 dias sem manifestação de qualquer sintoma, efectuou, juntamente com o seu compatriota, novos exames, igualmente com resultados negativos.
 
Dentro do Plano de Contingência do Governo do Bié, intensificaram-se as palestras junto da população, assim como outras acções tendentes a mantê-las cada vez mais informadas sobre o modo de prevenção do novo Coronavírus, que já infectou três pessoas em Angola.
 
O Covid-19  é uma doença nova, contagiosa e perigosa, daí a necessidade de as pessoas adoptem procedimentos para evitar a pandemia e sua propagação, como lavar e desinfectar as mãos, regularmente, tapar a boca com um lenço ao tossir ou espirrar, entre outras medidas.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação