Angola perde arresto da Efacec e pode ter de pagar aos bancos
10-07-2020 | Fonte: JE

A nacionalização da Efacec abriu uma caixa de pandora: o arresto da PGR caiu, a indemnização do Estado deve ir parar aos bancos credores que podem ter de pedir insolvência da Winterfell 2. A CGD, o BCP e o NB têm avales pessoais da estatal Ende.
 
A nacionalização da Efacec abriu uma caixa de pandora. Por um lado, o estado angolano perde o arresto das ações da Efacec que tinha sido decretado em março, porque a nacionalização sobrepõe-se a esse arresto, segundo fonte ligada ao processo.
 
 
Por outro lado os bancos Caixa Geral de Depósitos, Novo Banco e BCP têm um crédito à Winterfell Industries que rondará os 65 milhões, segundo notícias da imprensa difundidas no início do ano, que está garantido por avales pessoais de Isabel dos Santos e da Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE), que pertence ao estado angolano.
 
Angola perde assim o arresto que assegurava que as ações da Efacec serviriam para garantir um eventual reembolso no fim da ação judicial contra a empresária, caso Isabel dos Santos perca a ação em tribunal que lhe foi movida pelo estado liderado por João Lourenço, e, ironicamente, o mesmo estado, poderá ter de responder pela dívida da Winterfell Industries (que é dona da Winterfell 2) aos bancos portugueses CGD, Novo Banco e BCP. Isto porque segundo fonte dos bancos há um aval pessoal concedido para essa dívida de Isabel dos Santos e um aval da ENDE. Portanto, os bancos podem executar esse aval em conjunto.
 

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação