Rede Multicaixa parametrizada para introdução da “Série 2020
30-07-2020 | Fonte: Jornal de Angola

O presidente da Comissão Executiva da Empresa Interbancária de Serviços (EMIS), o consórcio de bancos que detém a rede Multicaixa, declarou ao Jornal de Angola que as notas do Kwanza da “Série 2020”, que ontem começaram a ser introduzidas, estão melhor adaptadas ao funcionamento dos caixas automáticos.
 
Gualberto de Matos explicou que a “Série de 2020” emprega a tecnologia de polímero, o que facilita o funcionamento das máquinas electrónicas no geral. Ao contrário, as notas em circulação, da “Série 2012”, por serem de algodão, quando perdem qualidade, criam constrangimentos nas máquinas electrónicas, podendo vir a encravar, consecutivamente, na hora da retirada do dinheiro.
 
Confirmou que a companhia preparou as condições operacionais para disponibilizar notas do Kwanza da “Série 2020” nos caixas automáticos, que têm uma capacidade limitada, carregando entre seis e 10 mil notas de qualquer valor, para oferecer aos utentes a possibilidade de fazerem levantamentos diários máximos de 50 mil kwanzas.
 
As declarações de Gualberto de Matos coincidem com as do director do Departamento do Meio Circulante do Banco Nacional de Angola (BNA), Sebastião Banganga, que, na quarta-feira, anunciou que as notas são introduzidas pelos bancos comerciais e nos caixas automáticos da rede Multicaixa.
 
Sebastião Banganga afirmou que, embora tenha sido feita a parametrização para que as notas sejam dispensadas na rede, tratando-se de valores menores, é bem possível que ainda não sejam disponibilizadas nos caixas automáticos.
 
O BNA colocou ontem em circulação a nota de 200 kwanzas da “Série 2020”, pondo à disposição dos bancos comerciais e delegações regionais quantidades suficientes para que as transacções monetárias passem, doravante, a contar com esta nota.
 
Comerciantes aliviados
 
O comerciante Caba Mohamed, proprietário de uma cantina do Distrito Urbano da Ingombota, município de Luanda, há 10 anos, considerou que a entrada em circulação das notas de 200 kwanzas vai ajudar a solucionar a questão da falta de trocos nas transacções. Nos últimos meses, há uma notável escassez de notas miúdas no mercado, lembrou Caba Mohamed, instando que o BNA a acelerar a introdução de notas e moedas de 10, 20, 50 e 100 kwanzas, para facilitar a saída dos produtos de baixo preço.
 
“Quando não tenho notas pequenas para trocos, recorro aos bancos comerciais que me disponibilizam moedas metálicas até um valor de 50 mil kwanzas, quantia ainda insuficiente para atender à procura diária de clientes”, lamentou. António Garcia, operador de uma loja da rede “Poupa Lá”, reconhece que a escassez de notas de menor valor tem dificultado a venda de produtos cujos preços oscilam entre os 10 e 200 kwanzas.
 
Para o taxista Riquinho Santos, a nota de 200 kwanzas vai aliviar os cobradores na entrega de trocos: ao pagar uma corrida de táxi com a nota de 500 kwanzas, o passageiro deve receber 350 de troco. Nesse caso, sem a nota de 200, teriam que dar três moedas metálicas de 100 kwanzas e uma de 50, e, se for uma nota de mil, pior ainda.
 
O que passará a acontecer é que o peso das moedas metálicas vai diminuir nas pastas dos cobradores: aliás, consta que os patrões não gostam de receber moedas, de acordo com as previsões avançadas por Riquinho Santos.
 

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação