Acusado de ser ditador, arrogante e pouco diplomata Artur Almeida tenta novo mandato na FAF
16-10-2020 | Fonte: LuandaPost

Artur de Almeida, que teve um consulado marcado por demissões no seu elenco, foi acusado publicamente pelos seus pares de ser ditatorial, arrogante e pouco diplomata. 
 
No primeiro mandato, um dos primeiros a bater com a porta foi Norberto de Castro vice-presidente para o futebol jovem, secundado por José Alberto Macaia, que em carta dirigida ao presidente da mesa da assembleia-geral, pediu a suspensão do  mandato por período de um ano, tendo depois criticado a suspensão de 15 dias e a multa de 750 dólares imposta ao vice-presidente para as selecções nacionais, Adão da Costa. 
 
A seguir, demitiu-se Fernando Moutinho, presidente do conselho fiscal. Nos últimos dias do seu mandato, Artur de Almeida demitiu o presidente do Conselho Técnico Desportivo da FAF, Jeremias Simão.
 
A sua última conferência de imprensa de apresentação da distribuição dos fundos provenientes da FIFA, tem sido vista como uma “jogada de charme” no sentido de granjear votos junto da massa votante. 
 
Os pré-candidatos às eleições do próximo dia 14 de Novembro, não entendem porque Artur almeida não chamou também a imprensa nas outras vezes em que recebeu fundos da FIFA/CAF e chama agora para apresentar fundos que não são uma generosidade sua, mas fundos que podem ser distribuídos aos membros por qualquer presidente eleito.
 
Agentes desportivos ouvidos pelo Luanda Post, são de opinião que Artur Almeida não tem estatura ético moral pra dirigir o futebol nacional numa era de combate à corrupção e moralização da sociedade. O seu presidente devia ser um espelho.
 
Recordamos que Artur Almeida foi condenado na pena suspensa de dois anos, a 12 de maio de 2015, num processo de roubo de 10 milhões de dólares aos cofres da operadora móvel UNITEL.
 
O presidente cessante do órgão reitor da modalidade rainha no país, não é o único da sua lista (C) com  cadastro criminal. O vogal Bernardo Suca, antigo director provincial da Juventude e Desportos do Huambo, por desvios de fundos públicos, foi condenado em 2015 na pena máxima de 4 anos de prisão.
 
Quem também esteve a braços com os órgãos de justiça, é o vogal Teófilo Moniz. Segundo fontes, todos os membros da Associação dos Antigos Jogadores de Futebol, têm conhecimento do roubo que Teófilo fez aos cofres da Associação durante a sua gestão.
 
 As eleições na Federação Angolana de Futebol realizam-se a 14 de Novembro do presente ano. Além de Artur Almeida e Silva, o presidente cessante, concorrem os candidatos Nando Jordão, António Gomes “Tony Estraga” e José Macaia, este último vice-presidente do actual elenco.
 

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação