Bastonário denuncia venda ilegal de medicamentos
16-11-2020 | Fonte: Novo Jornal

bastonário da Ordem dos Farmacêuticos de Angola (OFA), Santos Morais Nicolau, está preocupado com a venda desordenada de medicamentos nas ruas e nos mercados da capital do País, acção que considera ameaça à saúde pública".

Habitualmente, os fármacos mais comercializados vão desde anti-inflamatórios (Ibuprofeno), passando por analgésicos (Paracetamol), anti-hipertensivos (Captopril) e antibióticos (Amoxicilina). Em declarações ao Novo Jornal, o bastonário da OFA sublinhou que os fármacos devem ser vendidos em locais próprios, onde são observadas as normas para a sua conservação, de modo a não colocar em risco a saúde das pessoas.

"Se comida não foi feita para ser vendida ao relento, imagina medicamentos, que são substâncias de muito risco! Estes devem estar num lugar apropriado, limpo, seco e com uma temperatura ideal, caso contrário estragam e deixam de ser adequados e, em contrapartida, podem causar sérios danos às pessoas", alertou o responsável.

O bastonário reconhece ser difícil controlar o comércio ilegal de medicamentos, pois considera um problema de educação e que deve ser combatido. "Se intensificarmos cada vez mais a sensibilização junto das populações, aconselhando-as que devam adquirir os remédios somente nos estabelecimentos apropriados [farmácias] e não na rua ou nos mercados, como se tem observado, elas vão deixar de comprar. Não havendo clientes, os fornecedores e vendedores desses serviços também vão desanimar", sugeriu.

Em contrapartida, o responsável reconheceu que o trabalho de sensibilização deve merecer colaboração dos ministérios da Saúde (MINSA) e do Interior (MININT). Há dois meses no "cadeirão" máximo da OFA, Santos Morais Nicolau fez saber que, ao longo do seu mandato, vai prestar maior atenção à formação de técnicos farmacêuticos.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação