Gás medeia a transição energética em Angola
15-07-2021 | Fonte: Jornal Mercado

A constituição do Novo Consórcio de Gás (NCG), representa a primeira grande parceria de gás natural de Angola, reúne a Eni, BP, Chevron, Total e a estatal Sonangol.

O gás associado (aquele que, no reservatório geológico, se encontra dissolvido no petróleo) pode vir a tornar-se mais significativo como um importante combustível de transição nos próximos 20 ou 30 anos, de acordo com projecções da Câmara Africana de Energia (CEA), uma consultora que opera como promotora de investimentos energéticos no continente.

Num artigo consagrado à manutenção das oportunidades da indústria angolana dos hidrocarbonetos na transição energética, o vice-presidente sénior da CEA, Verner Ayukegba, lembra que o gás natural actua como um intermediário fundamental na transição energética, libertando menos emissões do que o carvão e os produtos petrolíferos.

Ao mesmo tempo, acrescenta o autor, o gás natural que é capaz de fornecer energia de forma fiável para permitir a produção em escala e compensar a intermitência inerente das energias renováveis. Verner Ayukegba escreve que o Ministério dos Recursos Minerais e Petróleo "está a desenvolver um esforço ambicioso” para monetizar as reservas de gás, atraindo investimentos para infra-estrutura de ‘downstream’ (transporte e distribuição de produtos da indústria do petróleo) e projectos de geração de energia a gás.

A constituição do Novo Consórcio de Gás (NCG), que representa a primeira grande parceria de gás natural de Angola, reúne a Eni, BP, Chevron, Total e a estatal Sonangol, reunindo recursos que podem elevar o gás natural a um papel central no apoio ao esforço de Angola para aumentar o acesso à electricidade, aceleração da industrialização e transição para fontes de energia mais limpas.

Mas esse é apenas o primeiro passo para muitas mais parcerias, lê-se no artigo que aponta a comercialização de gás como potencial para o estabelecimento de uma indústria petroquímica que pode produzir fertilizantes para impulsionar a agricultura em Angola e a nível regional.

Está em construção uma central de processamento de gás de dois mil milhões USD no Soyo, liderada pelo NCG, para produzir LNG direccionado à exportação e para alimentar a Central de Ciclo Combinado do Soyo, produzindo energia para a rede nacional. Já em operação, a Angola LNG foi a primeira a desenvolver recursos nacionais de gás natural e é um dos maiores investimentos individuais na indústria angolana de petróleo e gás.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação