Preços nos grossistas cresceram 18,7% no ano passado
22-01-2023 | Fonte: Expansão

A inflação anual no grossista desacelerou para 18,7% em 2022, registando uma queda de 12,4 pontos percentuais (p.p.) comparativamente a 2021, quando a taxa atingiu 31,1%, indicam os dados do Instituto Nacional de Estatísticas (INE) sobre o Índice de Preços no Grossista (IPG) do mês de Dezembro. Contas feitas, é preciso recuar a Novembro de 2019 para encontrar um valor mais baixo dos 18,7% registado no final do ano passado. Fontes do Expansão garantem que é a maior descida desde a operacionalização da Reserva Estratégica Alimentar (REA), embora a pressão se mantenha ainda sobre os produtos importados, precisamente os bens de consumo mais procurados pelos angolanos.

Os dados do INE indicam, por outro lado, que a queda da inflação no grossista quebra um ciclo de alta de preços que se vinha registando no mercado da distribuição alimentar grossista em Angola. Em termos mensais, em Dezembro de 2022, os preços dos produtos nacionais aumentaram 1,9% comparados com os de Novembro, sendo os produtos das indústrias transformadoras (com 1,9%) os que maior aumento de preços registaram durante o período em análise. A inflação dos produtos nacionais no último mês do ano passado foi de 1,9%. A indústria transformadora com 1,1 p.p., foi a que mais contribuiu para a variação dos preços dos produtos de produção nacional. Os que mais contribuíram foram: a gasosa com 0,5 p.p., cerveja com 0,2 p.p., farinha de trigo com 0,04p.p., carne de vaca com 0,02 p.p., cimento, leite em pó e carapau congelado com 0,01 p.p. No acumulado do ano a variação dos preços dos produtos nacionais em Dezembro de 2022 foi de 28,28%.

Importados

Quanto aos importados, no mês de Dezembro de 2022, estes tiveram um aumento de 0,9% em relação ao mês anterior, influenciados pela variação de preços verificada nos bens de produção agrícola, produção animal, caça e silvicultura com 1,1%. A indústria transformadora com 0,8 p.p., foi a que mais contribuiu para a variação de preços dos produtos importados. Os produtos que mais contribuíram foram os seguintes: farinha de trigo com 0,11 p.p., carne de porco com 0,09 p.p., frango congelado com 0,07 p.p., gasosas e açúcar de cana com 0,05 p.p. cada, arroz branco agulha com 0,04 p.p., cerveja, vinho tinto e óleo de soja com 0,03 p.p. cada, carne de vaca e fuba de milho com 0,02 p.p. cada, massa alimentícia, margarina, whisky, chouriço, aparelho de ar condicionado, iogurte, carapau congelado e tomate pelado com 0,01 p.p. cada.

Inflação mensal no grossista

Em termos mensais, no período de Novembro a Dezembro do ano passado, os preços no grossista registaram uma variação de 1,1%, sendo 0,03 p.p. inferior a registada no período anterior e 1,07 p.p inferior em relação a registada no mesmo mês do ano anterior. Em termos práticos, o angolano gasta em média 6 mil Kz na compra de um quilo de carne de vaca nacional e um cartão de ovos chega a custar 3,1 mil Kz. O cenário é diferente quando se trata de produtos importados. Um quilo de bacalhau seco importado pode chegar aos 10 mil Kz, enquanto uma grade de gasosa importada com 24 unidades de 330 ml, pode custar 12 mil Kz. Embora se registe uma descida significativa nos preços de alguns produtos, ainda assim a inflação tem reflexos directos no comércio a retalho e no consumidor final, agravando ainda mais o custo de vida dos angolanos. Em finais do ano passado, o ritmo do custo de vida no consumidor nacional desceu para 13,9%, um abrandamento de 13,2 p.p. contra os 27,0% registados em Dezembro do ano anterior. O Índice de Preços Grossista (IPG) calcula a variação dos preços dos bens produzidos no País, assim como dos produtos importados comercializados no mercado interno, nos sectores da agro-pecuária, pesca e indústria transformadora.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação