Angola nega restrições à liberdade de imprensa
17-03-2023 | Fonte: DW

overno angolano anunciou esta sexta-feira (17.03) que "não teve acesso ao relatório" sobre as razões da atuação policial junto da TV Camunda News e negou "restrições" à liberdade de imprensa no país.

Segundo o diretor nacional de Informação do Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social (MTTICS), a tutela "tem dificuldades em emitir uma opinião concreta" em relação à atuação do Serviço de Investigação Criminal (SIC) na TV Camunda News, que emite conteúdos online.

"O Ministério não teve acesso ao relatório que evoca as razões ou causas desta atuação policial e, neste sentido, nós temos alguma dificuldade de emitir uma opinião concreta em relação a isso", disse João Demba, em declarações à agência Lusa.

Sem entrar em mais detalhes, João Demba negou, por outro lado, existir restrições da liberdade de imprensa no país, uma questão que tem proteção constitucional, considerando que as queixas feitas por opositores, jornalistas e organizações não-governamentais "parecem mais uma forma de pressão ao Estado".

"Não acredito que seja uma pretensão do Estado restringir as liberdades, por exemplo, essas são apenas opiniões, quando sabemos que há uma instituição internacional que anualmente faz a publicação de um relatório sobre o índice de liberdade de imprensa", respondeu quando questionado sobre as alegadas pressões ao Camunda News.

De acordo ainda com o diretor nacional de Informação do MTTICS, nos últimos cinco anos Angola tem progredido no índice de liberdade de imprensa, um relatório, frisou, onde "algumas das pessoas que se dizem sérias em Angola respondem aos questionários". "Angola só melhorou a sua posição nesse índice", insistiu João Demba.

O proprietário da TV Camunda News assumiu, quarta-feira, que decidiu suspender a emissão do canal online devido à pressão a que tem sido submetido pelo SIC e ao sentimento de insegurança que afetou toda a equipa.

Em declarações à agência Lusa, David Boio explicou que foi chamado às autoridades para ser ouvido como declarante por causa de um programa do ativista social 'Gangsta', suspeito de associação criminosa, instigação à rebelião, instigação à desobediência civil e ultraje ao Presidente da República.

 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação