Investimentos e parcerias no horizonte
02-04-2006 | Fonte: Expresso
O despertar dos empresários portugueses para o mercado angolano não será alheio à entrevista que, em meados do ano passado, o presidente do BPI, Fernando Ulrich, concedeu ao EXPRESSO, sustentando que, do ponto de vista económico, Angola é tão importante para Portugal como Espanha.

Nesse quadro, Ulrich propunha que fossem dados sinais concretos. E com efeito, Lisboa aumentou a linha de crédito para exportações de €100 para €300 milhões e anunciou a criação de uma outra linha de €100 milhões para empresas interessadas em investir naquele país.

Assim, durante a visita de José Sócrates a Angola de 4 a 7 de Abril serão anunciados vários investimentos e parcerias por parte de empresas nacionais, o mais relevante dos quais será a abertura do Banco Millennium Angola, com um capital social de 25 milhões de dólares e capitais próprios de 33 milhões. O banco prevê abrir 20 balcões nos dois próximos anos, dos quais 14 em Luanda e periferia e seis em outras províncias, e espera atingir os 100 colaboradores até ao final do ano.

Ainda na área financeira, a Geocapital divulgará a sua intenção de criar um banco de investimento.

Por sua vez, os CTT vão automatizar as estações de correio de Angola, no âmbito de um contrato de consultoria e venda de tecnologia à ENCTA-Empresa de Correios e Telégrafos de Angola. Este projecto, no valor de €7 milhões e com um prazo de execução de 480 dias, engloba a implantação de um parque tecnológico de última geração nos domínios da gestão de estações de correio, serviços financeiros, atendimento e vendas a retalho em todas as províncias, a par de acções de formação de pessoal dos Correios de Angola.

Na indústria há dois investimentos de 80 milhões de dólares cada. A Ferpinta faz a pré-inauguração de uma unidade de metalomecânica no Lobito e a Secil Lobito divulga a intenção de construir uma nova fábrica de cimentos, também no Lobito. Por sua vez, a Fábrica de Águas do Alto Hama, no Huambo, está a ser reactivada pelo Grupo Imocom, uma recuperação que implica um investimento de €3,5 milhões, que deverá estar concluída em Abril de 2007. A Imocom Angola também investiu na Pedreira do Lukissa, com a construção de uma central de britagem e produção de betão, betonilha e artefacto de cimento. O grupo tem empreendimentos no Huambo e em Luanda.

Na área da saúde, a CGD vai celebrar um contrato de €11 milhões para recuperar o Hospital do Prenda e a Pharma Portugal assina uma parceria com o Hospital Pediátrico de Luanda para reforço dos cuidados de saúde materno-infantis.
 
Comentários
Quer Comentar?
Nome E-mail ou Localização
Comentário
Aceito as Regras de Participação